BLOGGER TEMPLATES AND TWITTER BACKGROUNDS

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

a look at the world


Dia como outro dia, que antecede uma noite fria. Foram vistas máscaras de soldados indecisos que caminhavam apáticos por dentre ruelas fedidas. Podre humanidade. São verdades nubladas e misturadas com o doce sabor das mentiras, sopa de palavras, tem mais é um gosto de veneno. Como cobras, escolhem suas presas, observam, observam... E abocanham o frágil oponente, para só depois se darem conta do estrago que causaram. Serpentes venenosas, velhos e astutos atores da vida. Frases de meia boca, suspiros cansados, honorários feitos pela metade. Sedentária e viciada humanidade. Acomodados. Indiscutivelmente patrões dos patrões, estranhos dentro de suas casas, conhecidos de bares e botecos da região. Adúlteros. Corja insignificante que cisma em magoar que não foi magoado. Como um ciclo vicioso. Endinheirado que joga dos ares pares de mil e dois mil. Gritam à multidão que podem e não fazem porque não querem, um brinde ao egoísmo humano. Vitimas da própria sorte, escorraçados por quem os deu a vida, não a mãe, julgam então que o criador não os quer. Os eles não o fazem quere-los. Algo do gênero. São armas apontadas para o espelho. Quem reflete não se vê. Precipícios quentes e expressos muitos desejam. Dias como outros dias... Uma comum realidade, com acessos de uma raiva repentina, sorrisos forçados e olhares desencontrados. Tudo por um roteiro. A programação diária de quem vê o filme degradante da sociedade. Cara esperto aquele lá de cima, já fez, hoje faz, e amanhã refaz. Em uma esperança eterna, de um dia acertar. Dia como outro dia, que antecede uma noite fria. Acho que vou tomar um chocolate quente e esperar por mais um capítulo da novela da vida. Está boa. Não arrisco um palpite do mocinho ou do vilão, meu mundo está fechado pra visitação. São coisas que eu sei.

14 comentários:

Sandro Batista disse...

Bella,

Muito complexo e bem construído seu texto. Li duas vezes pra ter certeza do que estava captando, e pude perceber um grande desabafo, um grande descontentamento não com a vida, mas com as pessoas e sua existência meio que blindada. Você me passou uma idéia de uma sociedade robotizada, programada para sabe se lá o que! Um texto que me passa a frieza que assola as pessoas de uma forma geral. O mundo carece de sentimento!

Adalberto Mota disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Adalberto Mota disse...

Concordo com o comentario de cima. Bem complexo, um desabafo total. muito interessante!

DOWNLOAD ROCK NACIONAL disse...

OI GATINHA.... VC TA LA SEGUINDO MEU BLOG....
http://www.pojucaonline.com.br/
VIM AQUI PRA RETRIBUIR.... ABRAÇOS

Thayssa Castro disse...

Você escreve muito bem. E quanto à vida, só podemos esperar que tudo aconteça. Infelizmente não sabemos o que irá acontecer para se precaver.

http://cheirodeflormanaus.blogspot.com/

Deane disse...

Gostei da forma que escreveste, parece que um ou dois trechos de músicas que deram um toque especial.
Que novela boa essa nossa vida hein? rs

Um abraço!

Marco Paschoal disse...

O texto é grande, mas vale a pena perder um tempinho para ler.
Parabéns pelo ótimo trabalho que teve escrevendo.

Casa do Baralho
http://casa-do-baralho.blogspot.com/

Yorrana Barbosa disse...

Nossa.Você escreve tão bem , prende a atenção do leitor do começo ao fim , pelo menos prendeu a minha atenção.
Não podemos saber o que irá nos acontecer , devemos estar sempre preparados para qualquer coisa.
Parabéns.

Passa lá no meu blog : http://dreamsofyorrana.blogspot.com/

Conversas Aleatórias disse...

Visitei seu blog e adorei.. estou te seguindo! :)

se der passa no meu também
www.confetesaleatorios.blogspot.com

beijos

jpfox8 disse...

O fim explica tudo. A vida que nos cerca é bem diferente do romantismo mentiroso das tramas da TV. Odiamos muitas coisas, amamos outras, esperamos os dias passarem como se nada pudessemos fazer. É triste, mas é assim.

Neuro-Musical disse...

Gostei do texto e confesso que demorei um pouco para entender. Infelizmente, a novela da vida real não é como a novela que das 8. Quando morremos, morremos MESMO! Quando machucamos, machucamos MESMO!

http://cerebro-musical.blogspot.com

CristaL. disse...

Texto bem estruturado... Idéias complexas... E uma forma de escrever bem pessoal... Parabéns!

Bjão


www.brincandodefazerpiada.blogspot.com

neetho b. disse...

Bella, só te digo uma coisa: Você é boa e se acustume com isso (: Parabéns!

vtiinho flor do campo disse...

caraca , ficou sinistro , totalmente revoltz , mas fico mto maneiro ! :D